Organizar os contatos no WhatsApp é uma questão de sobrevivência e escala para o seu marketing por este aplicativo. Afinal, se você não tiver controle sobre as pessoas com as quais se comunica, pode acabar perdendo oportunidades.

Neste artigo, vamos explicar algumas práticas que ajudam a organizar os contatos do WhatsApp e tornar o processo de identificação mais simples.

Vem com a gente.

Curso de WhatsApp Marketing
4.8
4.8/5

(5 avaliações)

No Curso de WhatsApp Marketing você aprende a Gerar Mais Negócios usando o WhatsApp. Essa poderosa ferramenta vai te ajudar a se relacionar e vender mais!

Quem adicionar aos contatos

Uma questão muito séria é pensar se você deve adicionar todas as pessoas ao seu registro de contatos no celular. Por um lado, ter os contatos pode ser positivo na hora de criar listas de transmissão, mas a verdade é que o interesse precisa ser real para este tipo de interação.

Portanto, nosso conselho é que você converse um pouco com seus potenciais contatos antes de se decidir por adicioná-los. Afinal, uma breve conversa pode ser o suficiente para perceber se as pessoas estão interessadas no seu produto e no seu negócio ou não.

Saber separar os interessados dos curiosos é um processo que depende de experiência. No começo, é normal gastar energia com pessoas que não irão fecha negócio. Entretanto, com o tempo você saberá identificar melhor onde colocar sua energia.

Taggeando contatos no WhatsApp Business

As vantagens do WhatsApp Business em relação ao aplicativo comum são enormes. Uma das principais é a possibilidade de taggear os contatos para identificação.

Entretanto, o exato formato de divisão depende de um pouco de tentativa e erro. Basicamente, você pode tentar dividir as tags entre pessoas interessadas, pessoas em processo de decisão, quem está com o pagamento pendente e quem já realizou a compra.

Também é possível separar os interessados em diferentes produtos através das Tags, o que pode agilizar muito o seu trabalho. Afinal, quanto menos você depende da sua memória com relação aos contatos de WhatsApp, menos erros irão acontecer.

Práticas a serem evitadas

Existem algumas práticas com relação aos contatos que acabam sendo muito comuns, mas podem atrapalhar seus negócios. Por exemplo: usar grupos para separar os contatos de WhatsApp com relação a interesses.

Os grupos de WhatsApp podem ser uma parte ativa da sua estratégia de marketing digital. Entretanto, eles não servem para classificar os contatos.

Portanto, tenha sempre em mente que as pessoas odeiam ser colocadas em grupos sem utilidade. A menos que seja estritamente necessário para a comunicação com as pessoas, não as dividas desta forma. Prefira usar listas de transmissão e tags.

Escolhendo o nome dos Contatos no WhatsApp

Outra prática que pode ajudar na organização dos contatos de WhatsApp é saber usar o nome do contato ao seu favor.

Em primeiro lugar, é importante sempre perguntar o nome da pessoa antes de adicionar o contato.

Entretanto, apenas isto não basta. Se você optar por marcar o primeiro nome, pode acabar gerando confusão entre contatos diferentes. Apesar disto, o sobrenome faz pouca diferença: você provavelmente não vai usá-lo para falar com a pessoa e ele tem pouco significado para você.

Ao invés de usar o sobrenome, uma boa prática é registrar a pessoa com seu primeiro nome e alguma outra informação relevante para você. Por exemplo: se você trabalha com um produto para o qual a empresa do contato é relevante, use o nome da empresa para diferenciar as pessoas.

O mesmo vale para outras informações, como:

  • Bairro, cidade ou localização geográfica;
  • Produto pelo qual o contato tem interesse;
  • Cargo ou profissão do contato.

O próximo passo…

Se você deseja fazer uso do WhatsApp de forma profissional ou nos seus negócios, é essencial conhecer o WhatsApp Business. Esta ferramenta permite muitas opções que você não encontra no aplicativo comum e que são essenciais para seu trabalho.

Ludy Amano

Fundador da Mirago, atuou como consultor de marketing digital por muitos anos. Formado em comunicação social pela ESPM, já ministrou aulas em instituições como BSP, Trevisan Escola de Negócios e Escola São Paulo. Atualmente se dedica a inovação na educação do mercado digital.