O Google vai adicionar botões de compra nas suas páginas de resultados de pesquisa em dispositivos móveis. Os botões vão aparecer nos resultados de busca pagos com uma descrição “Loja do Google”, no topo de uma página. Esses botões não vão aparecer nos resultados orgânicos ou quando os usuários procurarem por produtos no desktop.

Quando os compradores clicarem nos botões de compra, eles serão direcionados para uma página do produto no Google, onde podem escolher tamanhos e cores, bem como concluir a compra. Se o consumidor preferir, o Google vai armazenar informações do cartão de crédito e, automaticamente, carregará os dados para futuras transações.

Parece que o Google está se posicionando para ser um mercado online como a Amazon, permitindo que os compradores salvem suas informações de pagamento e facilitem o processo de compra. Mas um obstáculo é que o Google terá que gerir as necessidades dos consumidores após as compras, tais como devoluções ou trocas de produtos.

google-googl-shopping-threatens-amazon-amzn-with-buy-now-button

E o relacionamento com o consumidor?

Na verdade, o Google vai manter os relacionamentos com os consumidores pós-compra. Qual política o Google vai adotar e como irá envolver os comerciantes nesse processo ainda não foi revelado. Mas é pouco provável que o Google se torne um mercado centralizado. O Wall Street Journal relata que o Google ainda vai ser pago pelas lojas online por meio de seu modelo de publicidade existente, ao invés de segurar parte do preço da venda, como a Amazon faz.

No mercado online, a Amazon lida com todas as transações do consumidor, e é responsável por todas as compras e retornos. Nesse sentido, eles estão fornecendo um valor significativo para o que eles estão cobrando, mas o Google ainda não está preparado para adotar um modelo semelhante, de acordo com participantes da implantação do novo recurso.

Google não é a primeira empresa de tecnologia que está investindo em botões de compra. No ano passado, as plataformas de mídia social como Facebook , Twitter, Pinterest e Instagram também experimentaram essa funcionalidade.