Acesse esse conteúdo GRATUITAMENTE Já possui uma conta?

Video Marketing: o que é e como fazer?

O consumo de vídeo cresce a cada ano. Como esse formato de conteúdo pode ajudar sua marca? O que é preciso entender antes de começar a produzir vídeos? Confira nessa aula!

O vídeo não é um conteúdo propriamente dito, mas um formato de conteúdo. O video marketing que ganhou muita relevância nos últimos anos. O vídeo é envolvente por ser rápido, ter imagens em movimento, som, rápido de ser compartilhado, fácil de propagar.

Veja este relatório global – não se refere só ao Brasil – da empresa ComScore:

Envolvimento com vídeo por faixa etária

Na coluna da esquerda, vemos que o consumidor mais jovem consome mais vídeos do que os mais velhos. Também existe uma tendência do público mais jovem preferir vídeos mais curtos, enquanto os mais velhos consomem vídeos mais longos.

Consumo de vídeos o desktop

O relatório acima mostra que o consumo de videos mesmo via desktop continua a crescer apesar dos acessos por celular e tablets.

Menos tempo assistido

O tempo médio dos minutos assistidos por vídeo diminuiu, informação importante para o planejamento e criação de video marketing.

Atenção do consumidor e vídeos

Esta pesquisa do Google em parceria com o Ipsos – com dados referentes aos Estados Unidos – mostra que 81% das exibições de vídeos capturam a atenção do consumidor. Ou seja, é uma forma muito atrativa para despertar a atenção. Destes, 41% prestam atenção totalmente no video e 40% prestam atenção parcialmente, às vezes desenvolvendo outra atividade ao mesmo tempo.

Se você prestou atenção, deve ter reparado que a quantidade de compartilhamento de vídeos nos últimos anos aumentou muito.

Nesta mesma pesquisa, vemos que há dois tipos de atenção quando se consome o vídeo por celular e pela televisão.

Video Marketing: lean forward e lean backwards

Lean Forward – inclinado para frente: indica interesse no conteúdo, pesquisa, exploração. Nesta postura você 50% de chances a mais de prestar atenção. Quando você vê um vídeo on line, há 80% de chances a mais de você assumir esta postura.

Lean Backwards – inclinado para trás: indica diversão, relaxamento, passividade.

A conclusão é a de que temos a tendência de prestar muito mais atenção aos vídeos em nosso smartphone do que na televisão.

 

Atualmente, há uma disputa muito grande pela atenção do consumidor. A atenção não diminuiu, mas ficou mais difícil de consegui-la.

A oferta de conteúdo aumentou muito, por isso precisamos entender bem a persona de nosso cliente para gerar conteúdo que gere engajamento.

A chance de conseguir essa atenção é maior se utilizarmos um video on line e com conteúdo relevante.

YouTube: o segundo maior buscador do mundo

Devido a preferência das pessoas por conteúdos on line, o YouTube se tornou o segundo maior buscador depois do Google, com uma vantagem: é uma oportunidade de se fazer video marketing grátis. Isso mostra que o site é uma grande oportunidade, principalmente para mercados onde existe muita busca de informação.

Se no seu mercado as pessoas precisam de informação a todo momento, o YouTube é uma grande ferramenta sobre como fazer video marketing. O Brasil é o segundo país do mundo em horas assistidas no site.

Acima, vemos que o YouTube é top of mind quando se fala de videos. É o mais lembrado quando se fala no assunto!

Facebook: quer ser a maior plataforma de vídeos

A rede social – dona também do WhatsApp e do Instagram – já declarou abertamente que pretende se tornar a maior plataforma de videos do mundo.

O que diferencia basicamente os dois é que o YouTube tem um caráter de busca onde só encontramos videos.

No Facebook, encontramos além de vídeos nossos amigos, fotos, chat, enquetes… são muitas opções de ações e conteúdos.

Video Marketing: Facebook x YouTube

Realmente, há algum tempo o Facebook vem alcançando um número significativo de visualizações no desktop.

Porém, precisamos ficar atentos a algumas diferenças fundamentais.

Observe o quadro acima.

Quando colamos a URL do video na timeline do Facebook, é assim que ele se apresenta: de fomra pobre e pouco chamativa. Além disso, ao clicar nele somos direcionados para o YouTube – saímos do Facebook.

Quando fazemos o upload de um video direto para o Facebook, ele aparece como na foto da direita, muito mais atrativo, com chamada maior, poderá ser assistido dentro do próprio site e ele possui autoplay: inicia mesmo sem você clicar.

Mesmo que você poste o mesmo video – seja colando a URL na timeline ou fazendo upload – o Facebook possui um algoritmo que faz com essas postagens tenham alcances diferentes: o video postado direto na rede social chegará em mais pessoas!

Também é preciso ficar atento ao seguinte detalhe: videos postados no facebook precisam ser mais curtos, pois a oferta de conteúdo no Facebook é muito maior, pois o cliente não está necessariamente buscando algo específico ali dentro. Videos curtos temmais chances de serem vistos até o final neste caso. No YouTube, a tendência é que as pessoas busquem videos mais densos e detalhados.

Retenção de público com videos no Facebook

Nos gráficos de retenção que subimos para o Facebook, vamos encontrar gráficos parecidos com este:

Após 10 ou 15 segundos a retenção despenca!

Quando falamos em YouTube, a retenção se mostra bem diferente:

Quase no final do video a retenção é de quase 60%!

Com isso, vemos que o caminho não é utilizar o mesmo material postado no YouTube e subir para o Facebook.

Visualizações

Existe uma diferença no conceito de visualização entre o Facebook e o YouTube:

Facebook: qualquer video visto por mais de 3 segundos é considerado visualizado.

YouTube: qualquer video visto por mais de 30 segundos é considerado visualizado. Se o video for muito grande, será necessário um pouco mais de tempo para ele ser considerado visualizado.

Por isso, é importante verificar os gráficos de retenção para saber realmente como estão as visualizações.

“(Brand Storytelling) is not about pushing advertising. It’s about bringing value. Gary Vaynerchuck

Se você pretende se aprofundar no Marketing Digital, recomendados estudar Gary Vaynerchuk. Ele iniciou sua trajetória na pequena loja de vinhos dos pais, postando videos sobre enologia quando quase ninguém fazia isso e aumentou em muitas vezes o faturamento do negócio.

Hoje, ele já escreveu alguns livros e se tornou um fenômeno de social midia, a VaynerMedia e tem em sua carteira de clientes grandes empresas. Uma citação que ele usa com frequência diz que storyteling da sua marca não é uma propaganda sobre você mesmo, e sim sobre entregar conteúdo útil e que gera valor para as pessoas. Afinal, o YouTube também é uma rede social.

Assim, podemos concluir que o video marketing pode ser utilizado nas etapas de aprendizado e descoberta, reconhecimento do problema, consideração da solução (inclusiva para trazer mais tangibilidade ao que é mais intangível) e na decisão de compra. Você pode mostrar depoimentos com experiências de clientes, estudos de caso, mostrar o ambiente da empresa, soluções, resultados… enfim, o viedo marketing pode ser extremamente útil em todas as etapas!

Aline Oshiro4 meses atrás

Indicação de materiais

Oi Ludy! Estou gostando muito desse curso, tem ajudado muito no meu blog! Vc tem indicação de materiais (livros e vídeos, etc) para aprofundar mais no tema de Marketing Digital? Obrigada!

Envie sua dúvida