Mostrando-se cada vez mais presente, o termo “nativo-digital” definem as pessoas que já nasceram na era da informática e desde cedo tiveram contato com aparelhos eletrônicos, com a internet e por isso têm extrema facilidade de entendimento e interação com as novidades que da tecnologia. O contato com o mundo virtual gera também algumas preocupações e uma série de mudanças sociaispelas quais teremos que nos adaptar.

Uma das preocupações é que esta geração acabe perdendo o referencial do que de fato é real, pois o aprendizado é principalmente adquirido de acordo com as experiências de cada indivíduo, e se um nativo digital possui a maioria das suas experiências no meio virtual, isso pode fazê-lo ter um discernimento diferente a respeito do que é real. Um dos exemplos práticos em relação a este possível problema, são os vídeos na internet de crianças que entendem perfeitamente o funcionamento de um tablet, mas não conseguem passar as páginas de uma revista impressa.

Outro fato que deixam os educadores apreensivos é a dificuldade de concentração dos nativos digitais em uma única tarefa, que faz com que o formato de ensino que temos hoje não seja mais eficiente. Alguns autores chegam a defender a hipótese de que possuem déficit de atenção, mas na realidade o que acontece é que para se concentrar eles precisam de atividades suficientemente motivadoras e o sistema educacional como temos hoje, ainda não se adequou a esta nova realidade.

Na web, tudo é muito instantâneo e quem é heavy user tem a tendência a querer que tudo seja tão veloz como é na internet e uma das áreas em que isso se reflete é no mercado de trabalho. Os jovens não tem mais paciência de esperar que consigam um emprego e que com o tempo a sua carreira se consolide, já querem entrar no mercado de negócios por cima, sendo seu próprio patrão. O resultado disse, é o grande número de startups que vemos no mercado.

O ambiente virtual ainda é muito fluido e não podemos afirmar com certeza que diferenças ele fará nos indivíduos que estão “mergulhados” neste contexto, mas já podemos esperar que cada vez mais, ele se torne parte integrante do nosso dia-a-dia.