Acesse esse conteúdo GRATUITAMENTE Já possui uma conta?

Comportamento do Consumidor: como ele evoluiu?

O que mudou no comportamento do consumidor? Como a tecnologia influencia nas mudanças de comportamento e como o marketing deve acompanhar as tendências de consumo^? Saiba de tudo isso nessa aula!

Você já pensou alguma vez, nas causas que contribuíram para a mudança de comportamento do consumidor? O fator tecnologia certamente tem plena influência nas mudanças de comportamento.

O que é o comportamento do consumidor?

Podemos dizer que o comportamento do consumidor é uma matéria do estudo científico que tenta entender as motivações de consumo. São estudados elementos sobre quando, como e por quê as pessoas decidem comprar ou não um produto.

Por isso, acompanhar as mudanças no comportamento de consumo é fundamental para profissionais de marketing.

Tecnologia e Comportamento

Tecnologia e comportamento estão sempre dialogando. Quem atua no segmento de marketing deve sempre estar atento a esta relação tão próxima.

Quem não se lembra, quando o ápice da tecnologia foi o advento do celular com câmera? Com o tempo, ele passou a ter não somente uma câmera, mas duas. Uma câmera frontal para as famosas “selfies”.

Já parou para pensar o que motivou esta função? O comportamento das pessoas pode responder esta e muitas outras questões.

A imagem acima ilustra bem como o comportamento das pessoas mudou. Trata-se da posse do Papa em 2005, e a posse de outro Papa, em 2013.

A diferença entre os dois cenários é gritante, e revela que hoje, o celular é de fato, o objeto mais pessoal na vida das pessoas.

Não é exagero afirmarmos que “carregamos a vida” dentro de um celular. Nele, carregamos informações, livros, contatos dos amigos e amigas, imagens, música, vídeos, etc.

Ou seja, todas as nossas predileções, estão dentro deste aparelho, que diz muito sobre quem somos.

Economia da atenção

Estamos na chamada “era da economia da atenção”, onde o fator tempo é considerado um bem, bem este que é escasso e não renovável.

Podemos afirmar que o tempo é um bem cada vez mais disputado, tanto pelas marcas e empresa, quanto pelas pessoas em geral.

As marcas tentam a todo momento, reter algum tempo de atenção do público consumidor. Afinal, esta atenção e tempo são necessárias para estabelecer um relacionamento, construir a marca e passar a imagem correta dela às pessoas, por exemplo.

Quanto custa a atenção das pessoas?

Quando o Facebook comprou o WhatsApp em 2014, muita gente não entendeu qual a vantagem que a empresa de Zuckerberg teria, ao “gastar” valores astronômicos (US$ 22 bilhões) na aquisição do aplicativo de troca de mensagens.

Mas na verdade, ao perceber que muita gente passa muito tempo de seu dia conectada no WhatsApp, o Facebook simplesmente investiu na compra da atenção das pessoas, do tempo das pessoas, percebe?

Onde está nossa atenção?

Fonte: comScore Mobile Metrix
Fonte: comScore Mobile Metrix

Na imagem acima, podemos verificar uma pesquisa realizada pela empresa comScore, que mostra onde está nossa atenção, de acordo com os períodos do dia, em relação ao celular, notebook/computador e tablet.

No celular, há uma tendência de uso maior durante a manhã, e no final da noite após o trabalho.

Já o desktop tem aumento de uso no horário em que as pessoas costumam chegar no trabalho. Apresenta um pico de uso após o almoço e também um pouco antes do fim de expediente.

Quanto ao tablet, ele se mantém durante boa parte do dia, estável, tendo o pico durante a noite.

Comportamento Mobile do Brasileiro

Fonte: comScore Mobile Hierarchy of Needs 2017
Fonte: comScore Mobile Hierarchy of Needs 2017

Outra interessante pesquisa realizada pela comScore, e que traz dados relevantes sobre o comportamento mobile. Essa pesquisa aborda dados de usuários que utilizam apenas desktop, mobile (celular e tablet) e multiplataformas (que usam desktop e celular, tablet), e também usuários que utilizam apenas celular.

O interessante no que se refere ao Brasil, e observar que há um número significativo de pessoas que já não utilizam mais desktop. Na Indonésia, basicamente só se usa celular ou tablet (cerca de 70%).

Fonte: comScore Mobile Metrix
Fonte: comScore Mobile Metrix

Outro estudo interessante, que analisa o uso dos dispositivos de acordo com a faixa etária, é este da imagem acima.

Nele podemos observar que o uso apenas de plataformas mobile é maior na faixa etária mais jovem (18 e 34 anos). Na faixa etária acima de 35 anos, o uso do mobile cai, aumentando o multiplataforma, enquanto na faixa de 55, a preferência é pelo desktop.

E os apps?

Fonte: comScore Global Mobile Report 2017
Fonte: comScore Global Mobile Report 2017

 

Já que usamos tanto o celular e passamos tanto tempo conectados a ele, o que será que fazemos mais? Acessamos sites? Lemos? Na verdade, as pessoas hoje passam boa parte do tempo, acessando aplicativos.

De acordo com este estudo da comScore, o brasileiro passa 89% do seu tempo, utilizando apps no celular. Já o restante do tempo, 11%, o brasileiro usa para acessar a web.

Que tipo de apps?

E se passamos tanto tempo usando apps no celular, que tipos de apps são estes?

O relatório da Yahoo (2016) aponta que o Facebook lidera, com 19%. A maior fatia indica uso de redes sociais, jogos, música, entretenimento, dominam. Analisar estes dados nos dá um indicativo de que, como marca, como podemos atingir, ou seja, chegar nessas pessoas.

Fonte: Fonte: comScore Mobile Metrix
Fonte: Fonte: comScore Mobile Metrix

Este outro estudo acima, da comScore, de 2016, faz um top 20 apps mais usados. Facebook aparece também em primeiro. O interessante é perceber que as pessoas gastam seu tempo nestes apps, e que você pode usá-los para sua marca atingir este público.

Analisar estes estudos lhe dará munição para traçar boas estratégias de negócios.

E compras mobile?

Fonte: comScore M-Commerce and E-Commerce Measurement 2016
Fonte: comScore M-Commerce and E-Commerce Measurement 2016

Será que as pessoas compram pelo celular ou preferem o computador? O estudo acima mensurou a receita gerada tanto pelo desktop quanto pelo celular.

A conclusão foi que, apesar da maior parte do tempo das pessoas ser destinado a visitar as lojas por meio do celular, a compra efetivamente ocorre no desktop, com 80% da receita.

Isso mostra que a tendência é fechar a compra no desktop. Pelo menos por enquanto.

Resumindo

A forma como as pessoas fazem suas decisões de compra está cada vez mais ligada ao uso de tecnologias. Como vimos acima, o uso dos smartphones, da internet, de aplicativos, e muitos outros recursos cada vez mais interferem na tomada de decisão do consumidor.

Não se pode ignorar esses elementos no momento de traçar suas estratégias de marketing.

Juliano Capato2 semanas atrás

Iceberg do comportamento do consumidor

Ludy td bem? Vendo aqui me lembrei de uma professora que comentava que o que conseguimos mensurar no comportamento do consumidor, mesmo com estimativas e estudos, seria só o topo do iceberg do que realmente é o desejo de compra. O que faria a pessoa realmente feliz seria algo muito maior e complicado de se entender do que o visivel. Qual sua opiniao sobre isso? Obrigado

Envie sua dúvida

Introdução ao Marketing