O tráfego pago é uma estratégia de Marketing Digital que é muito utilizada por empresas de todos os portes e já existe há muitos anos. É muito comum empresas que estejam no início utilizarem essa estratégia como um de seus principais pilares e nós vamos entender o porquê disso.

Além disso, esse artigo se propõe a mostrar a fundo o que é essa estratégia, suas principais vantagens e desvantagens para quem deseja investir recursos nela. 

O que é tráfego pago? 

A maneira mais simples e rápida de entender tráfego pago é dizendo que, geralmente, você utiliza uma ferramenta, investe um dinheiro nela criando anúncios e paga somente quando seu anúncio for clicado ou visualizado. 

No tráfego pago existe um modelo chamado de PPC (Pay per Click, em inglês ou Pague por Clique em português). A maioria das ferramentas existentes no mercado atualmente utilizam esse modelo, ou seja, você só é cobrado quando um usuário clica ou visualiza (em caso de vídeos, por exemplo) seu anúncio. 

Em resumo, a estratégia de tráfego pago se baseia em investir um dinheiro pra trazer gente qualificada para seu site ou landing page, por exemplo. 

Quais as principais Vantagens do Tráfego Pago?

Trouxemos aqui as principais vantagens que o tráfego pago apresenta em relação a outras estratégias.

Resultados Imediatos

Ao utilizar essa estratégia você pode esperar obter resultados muito rapidamente. Basta criar uma conta em uma das ferramentas disponíveis (veremos em breve algumas delas), configurar suas campanhas e anúncios, definir um orçamento e pronto! Suas campanhas passarão a ser veiculadas e o público que você segmentou passará a ver seus anúncios e interagir com eles. 

Segmentação muito apurada

De maneira geral as ferramentas de tráfego pago possuem uma excelente capacidade de segmentação. As mais comuns geralmente incluem segmentação por palavras-chave, interesses, informações demográficas (sexo, idade), ocupação, canais de mídia, públicos personalizados e semelhantes.

Ponto importante: Pelo fato das ferramentas oferecem ótimas formas de segmentação isso não significa que automaticamente isso é passado para suas campanhas. É óbvio que depende de um fator humano que é o responsável pela criação das campanhas que deverá entender como atingir e impactar seu público da melhor maneira e com menor custo possível.

Investimento baixo para iniciar

Para iniciar no tráfego pago não é necessário grandes somas de dinheiro, na verdade, pelo contrário, é possível começar com bem pouco. 

Você define o orçamento que deseja investir (seja ele um valor diário, mensal ou vitalício, ou seja, durante quanto tempo a campanha durar). 

No Facebook e Instagram Ads, por exemplo, você pode começar a investir com um montante inicial a partir de 1 dólar por dia (quando escrevo estas linhas, algo próximo a R$ 5,00). Já em outras ferramentas a lógica é basicamente a mesma, podendo ser um valor menor, por exemplo R$ 1,00/dia. 

Sistema Self service

Outra vantagem do tráfego pago é que as principais ferramentas do mercado oferecem um modelo self service, ou seja, não é necessário nenhum intermediário para inserir sua campanha no ar. Basta você se cadastrar, configurar sua conta, criar suas campanhas e anúncios e começar a veicular. 

É claro que é importante que você saiba o que esteja fazendo, caso contrário irá consumir recursos importantes que não trarão resultados. 

Desvantagens do Tráfego Pago

Como nem tudo são flores nessa vida, aqui estão algumas das desvantagens dessa estratégia.

Custos inflacionados ao longo do tempo

Infelizmente os custos de anunciar nas principais plataformas do mercado tendem a subir ao longo do tempo. Isso acontece pelo fato de que novos anunciantes passam a criar campanhas nessas plataformas e, além disso, a qualidade das campanhas como um todo tendem a melhorar uma vez que os anunciantes e agências vão conquistando maior maturidade com a ferramenta. Isso, obviamente, encarece os custos no médio e longo prazo. 

Se você já anuncia em alguma plataforma há algum tempo deve sentir isso na pele. Provavelmente os custos por clique que você pagava há 12 ou 24 meses atrás não são os mesmos de hoje. 

Acabou a grana, acabou o tráfego

É tão simples quanto isto. Enquanto a torneirinha do dinheiro está aberta, os leads e vendas continuam aparecendo, quando essa torneira seca, automaticamente os resultados somem (pelo menos vindos diretamente dos canais de mídia paga). 

Isso já não acontece, por exemplo, com outros tipos de estratégias de marketing digital, como o SEO e o Inbound Marketing. Por isso é sempre importante ter mais de uma opção entre seus principais canais de aquisição. Veremos isso no próximo item.

Dependência quase exclusiva desses canais pode colocar em risco sua estratégia de médio/longo prazo

Essa não é uma desvantagem propriamente dita, mas sim um risco para o seu negócio. Ou seja, se você depende quase que exclusivamente de tráfego pago para manter seu negócio em pé você está correndo sérios riscos (ou, como diria Nassim Taleb, autor do livro Antifrágil, você está em posição de fragilidade).

Aqui uma lógica conhecida há centenas de anos também se aplica, ou seja, nunca coloque todos os ovos numa cesta só. É importante ter mais de um canal de aquisição para que você não fique totalmente dependente de tráfego pago, e, por qualquer motivo, tenha dificuldades em manter o nível de investimento que vem fazendo e acabar sucumbindo por não conseguir manter o mesmo nível de vendas e lucratividade anteriores.

Principais Ferramentas de Tráfego Pago

Aqui vamos elencar as principais ferramentas de mídia paga presentes no mercado brasileiro.

Google Ads (rede de pesquisa, rede de display (inclui YT e Gmail), shopping)

O Google Ads talvez seja uma das primeiras e mais conhecidas plataformas de tráfego pago. Antes era chamada de Google Adwords e esse sufixo “words” (palavras, em inglês) não era à toa pois a ferramenta começou nos seus primórdios sendo uma ferramenta em que a única segmentação possível era por meio de palavras-chave. 

No entanto, ao longo dos anos o Google Ads se transformou numa plataforma muito maior que apenas a segmentação de palavras-chave. Resumidamente, o Google Ads se divide em: 

Rede de Pesquisa

São os anúncios que são veiculados no próprio Google (mecanismo de busca) ou em parceiros de pesquisa que a empresa possui. 

Rede de Display

O Google conta com milhares de parceiros (sites, blogs, portais) que, em troca de uma receita com publicidade, permitem que o Google exiba seus anúncios neles. 

Youtube

O maior site de vídeos do mundo. O Google comprou o Youtube ainda em seu início e fez dele uma gigantesca plataforma de anúncios em que você pode utilizar o Google Ads para ter acesso.

Gmail

O famoso provedor de e-mail do Google também é fonte importante de anúncios e você pode criar campanhas que caiam diretamente na caixa de entrada de seus usuários por meio do Google Ads. 

Shopping

O Google Shopping é outra possibilidade de anúncios que o Google Ads oferece voltado ao universo do comércio eletrônico. 

Facebook e Instagram Ads

Outra gigante e muito conhecida ferramenta de tráfego pago é o Facebook e Instagram Ads, que compõe a rede de produtos do Facebook. Nela você poderá criar campanhas e anúncios para Facebook, Instagram, WhatsApp (mensagens) e Messenger. 

Uma das grandes vantagens de anunciar nessa plataforma é a sua incrível capacidade de segmentação. O Facebook conta com mais de 2 bilhões de usuários em todo o mundo e possui muitos dados ligados a comportamentos, interesses, família, relacionamentos, consumo e por aí vai. Essa base gigantesca de dados e informações é um prato cheio para anunciantes famintos por gerar resultados com Marketing Digital. 

Linkedin Ads

Outra plataforma de tráfego pago bastante conhecida, sobretudo no universo B2B (Business to Business) é o Linkedin Ads. O Linkedin é a maior rede social profissional do planeta e conta com mais de 35 milhões de usuários só no Brasil. 

Ao se cadastrar na plataforma pessoas físicas e empresas são convidadas a preencher uma série de informações como cargo, setor de atuação, número de funcionários, região de atuação e assim por diante. Novamente aqui, assim como no caso do Facebook, essas informações são muito valiosas para anunciantes interessados em segmentar campanhas para perfis profissionais qualificados. 

Twitter Ads

O Twitter Ads também é uma plataforma de tráfego pago que, embora um pouco menor em tamanho e relevância que as demais, ainda assim tem seu público. Ela também conta com um sistema self service em que você pode criar campanhas com diferentes objetivos, como por exemplo (Alcance, Visualizações de Vídeo, Instalações de Aplicativos, Cliques no site e algumas outras).

Taboola e Outbrain – Native Ads 

Algumas plataformas como a Taboola e a Outbrain são plataformas para anunciantes interessados em impactar sua audiência por meio dos Native Ads (ou Anúncios Nativos). 

É muito provável que você já tenha visto (e clicado) num anúncio desse tipo. Os anúncios nativos são aqueles que se misturam ao conteúdo de um site como um portal, por exemplo. É muito comum em grandes portais você ler uma matéria e, ao final, se deparar com caixinhas falando de assuntos relacionados à matéria ou aos seus interesses (nem sempre, é verdade). Alguns portais como Exame, Terra e Infomoney possuem esse tipo de anúncio. 

Quanto custa anunciar? 

Como vimos, em todas as plataformas você decide o quanto deseja investir e controla isso por meio de um orçamento (que pode ser diário ou vitalício, dependendo da plataforma). 

No Facebook e Instagram, o mínimo para investir é a partir de 1 dólar por dia, já no Google Ads você pode criar campanhas e investir a partir de R$ 1,00 por dia. 

A grande diferença aqui é em relação às plataformas de Native Ads. No caso da Taboola e Outbrain o investimento inicial é bem mais alto, geralmente gira em torno de 10.000,00/mês. 

Como definir o orçamento a investir?

O investimento em tráfego deve ser definido com base em algumas premissas: 

  • Qual seu objetivo (meta de vendas, por exemplo)
  • Qual seu custo por lead  ou CPA? 
  • Qual sua taxa de conversão em vendas? 
  • Qual o orçamento disponível?

Se possível, utilize um histórico de campanhas anteriores. 

Aqui tem um vídeo que explica em detalhes como você pode calcular o montante a ser investido. 

O que (quase) ninguém te conta sobre tráfego pago

Conhecer as ferramentas e as formas de anunciar nelas é super importante. 

O que pouca gente fala é que você deve conhecer muitíssimo bem seu público antes de sair anunciando por aí. 

Isto é: Você precisa fazer sua lição de casa e entender a fundo suas dores, necessidades, desejos, hábitos, etc. Assim você terá condições de ser muito mais assertivo na segmentação desse público e, sobretudo, saberá trabalhar melhor seus anúncios, o copywriting (elementos persuasivos no texto), a mensagem (seja em vídeos ou imagens). 

Entender os fundamentos (e a gente sempre fala disso aqui) é super importante para um bom resultado na ponta, não importa o que você estiver fazendo: tráfego pago, orgânico, marketing de conteúdo, etc.

Tráfego Pago e a jornada do consumidor

Apesar do tráfego pago ser mais utilizado na fase de consideração de compra da jornada do consumidor (ou fundo de funil de marketing), ele também pode ser utilizado para as etapas iniciais da jornada, sobretudo para oferecer conteúdos de topo e também meio. 

Por exemplo: Se você criou um novo post de Blog ou criou um novo material rico (ebook, webinar, por exemplo), você pode utilizar o tráfego pago para atingir mais pessoas a consumir aquele material. Isso é investir em tráfego pago para materiais de topo de funil (ou etapas de Reconhecimento do Problema na jornada do consumidor).

Quando usar tráfego pago? 

Alguns exemplos em que você pode utilizar o tráfego pago: 

  • Lançamento de novos produtos
  • Promoções de vendas (dias dos namorados, pais, natal, black friday) 
  • Remarketing (impactar pessoas que já te conhecem)
  • Divulgação de um conteúdo (vídeo, post de Blog, infográfico, tutorial, depoimentos, estudos de caso)
  • Geração de Leads para venda de produtos e serviços

Como aprender e onde estudar tráfego pago?

Você tem uma infinidade de materiais em que você pode estudar sobre tráfego pago na internet. Aqui recomendo alguns deles: 

Ferramentas de ajuda e suporte das próprias plataformas 

O melhor lugar pra começar a aprender tráfego pago é nas próprias Centrais de Ajuda das plataformas. Todas elas contam com uma e ali você pode checar toda a documentação pra você criar e otimizar suas campanhas. Você irá encontrar informações básicas desde como configurar sua conta até informações mais avançadas sobre segmentação, conversões e tag (ou pixel) de acompanhamento. 

Tutoriais na internet

Basta dar uma pesquisada no Google e Youtube pra ver a quantidade de material no estilo tutorial que você vai encontrar. Minha sugestão pra você que deseja aprender como anunciar no Google Ads: temos um tutorial super didático pra você dar seus primeiros passos.

Cursos sobre o assunto 

Outra forma de aprender sobre tráfego pago é com cursos sobre esse assunto. Existem vários no mercado e você pode escolher o que melhor se encaixa com você. Faço o convite para você conhecer o nosso Plano PRO da Mirago. Lá você vai encontrar nossos cursos de:

Blogs

Muitos blogs de qualidade (nacionais e gringos) ensinam sobre o assunto de tráfego pago. Alguns deles inclusive são especializados em algumas ferramentas como Google Ads, Facebook e por aí vai. Vale a pena dar um Google aí e procurar alguns!

Livros

Embora eu adore essa forma de aprendizado, para esse tipo de conhecimento não recomendo muito pois as plataformas mudam muito rápido e o livro, em pouco tempo, acaba ficando desatualizado. É claro que os fundamentos não mudam, mas se um livro falar de uma ferramenta específica é bem provável que a interface mude, novas ferramentas e funcionalidades surjam nos meses seguintes ao lançamento do livro.

Concluindo

O tráfego pago é uma poderosa estratégia que é indicada para grande parte dos negócios que desejam resultados no Marketing Digital. Cabe a você, profissional de marketing, entender a fundo seu público e seu mercado para traçar as melhores estratégias e utilizar os melhores canais que façam sentido pra você. 

Não existe certo e errado aqui. O que existe é você testar e encontrar a(s) ferramenta(s) que melhor te atende de acordo com seus objetivos. 

Para se tornar um bom profissional de tráfego pago são necessários algumas competências essenciais, mas isso fica para um outro artigo ;)

E aí, curtiu esse conteúdo? Conta pra mim: Você já utiliza o tráfego pago na sua estratégia? Tem conseguido bons resultados? Deixe seus comentários aí pra gente!